Porquê que é que as transações falham? - HMBO
Apesar do crescimento significativo que se tem vindo a verificar no mercado das fusões e aquisições, a maioria das transações acabam por não ser bem-sucedidas. Conheça os principais motivos no nosso artigo.
Mergers and acquisitions
16183
post-template-default,single,single-post,postid-16183,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
 

Porquê que é que as transações falham?

Porquê que é que as transações falham?

Apesar do crescimento significativo que se tem vindo a verificar no mercado das fusões e aquisições, a maioria das transações acabam por não ser bem-sucedidas.

É praticamente unânime que o elevado número de transações está ligado, em larga medida, ao crescimento da economia, à evolução dos mercados financeiros e ao ambiente macroeconómico. Esta análise permite-nos concluir que o elevado número de transações em Portugal também não será alheio a estes fatores. Não obstante, existem muitas transações, que acabam por nunca se concretizar, mesmo num contexto mais favorável.

Segundo um estudo da International Business Brokers Association (IBBA), mais de 49% das transações terminam sem um acordo entre as partes, apesar de existir, em muito desses casos, interesses mútuos na operação. Perante este cenário, impõe-se a seguinte pergunta: porque é que as transações falham?

O mesmo estudo da IBBA destaca a falta de preparação dos agentes envolvidos no processo como o principal motivo destes “falhanços”, sendo justificação para 36% dos deals não se materializarem.

Apesar deexistirem diferenças inultrapassáveis entre o vendedor e o potencial comprador, como o preço ou a estrutura proposta para a transação, o estudo sugere que são igualmente frequentes outros aspetos que deitam por terra operações de M&A, tais como:

  • a falta de conhecimento/expertise do vendedor ou dos seus assessores/consultores;
  • dificuldade em conseguir passar uma mensagem correta acerca da empresa;
  • fraco diálogo e/ou negociação entre as partes;
  • número reduzido de ofertas/propostas por parte de potenciais compradores;
  • expectativas irrealistas do vendedor;
  • ausência de mais-valias/ativos valiosos na empresa.

Grande parte dos pontos acima referidos podem ser evitados se a empresa se fizer representar por uma equipa de consultores/advisors capaz de ter uma compreensão holística do negócio e da Empresa. Este acompanhamento é fundamental para maximizar as hipóteses de um desfecho bem-sucedido. Isto engloba, naturalmente, a capacidade de perceber os pontos fortes, estratégia e focos de diferenciação da empresa e a respetiva associação aos objetivos e motivações dos diversos investidores.

Além disso, numa fase preliminar é imperativo efetuar uma análise minuciosa dos dados financeiros e operacionais da empresa, para que no contacto com os investidores não surjam surpresas que possam inviabilizar a transação.

O networking e a capacidade de comunicação são, de igual forma, fatores críticos de sucesso para garantir um bom acordo, assim como uma avaliação realista que reflita o justo valor da empresa.

Uma abordagem ao mercado honesta e transparente e que mostre as vantagens que o potencial comprador poderá beneficiar se concretizar o negócio são outros dos ingredientes que facilitam as transações.

Em suma, conectar o vendedor certo com o comprador certo afigura-se como uma missão difícil, no entanto, está ao alcance do vendedor a oportunidade de procurar o auxílio adequado por parte de profissionais de M&A, que prestem um serviço completo e integro, alicerçado numa preparação adequada e que acrescentem verdadeiramente valor no processo.

 Rafael Freitas | Gestor HMBO

No Comments

Post A Comment