Investimentos ESG – Tudo o Que Precisa de Saber

ESG

Investimentos ESG – Tudo o Que Precisa de Saber

O Que São ESG?

Não há dúvida que, pelo aumento da consciencialização ao nível ambiental, social e de corporate governance (governo corporativo), a realização de investimentos com critérios mais robustos nestas temáticas está a suscitar um crescente interesse nos investidores a nível global.

Hoje, os critérios associados ao Environmental, Social & Governance fazem parte da tomada de decisão estratégica e, por isso, estão também associados à boa gestão das empresas e aos seus processos de fusões e aquisições, uma vez que os fatores ESG são um conjunto de critérios utilizados para classificar empresas e investimentos, cumulativamente com as métricas de performance tradicionalmente aplicadas.

Decompondo a sigla, importa entender de que se fala quando referimos ESG:

  • Environmental: Os impactos de determinada empresa no meio ambiente. Os pontos de análise devem incluir tudo o que evolve a conservação da natureza, tais como a pegada de carbono, a utilização de produtos químicos no processo produtivo, a sua contribuição ao nível de sustentabilidade na sua cadeia logística, o seu posicionamento relativamente à desflorestação, à escassez de água e a sua capacidade de ser energeticamente eficiente. É necessário ter em conta o alinhamento estratégico da empresa com as mudanças climáticas, a forma como faz uso dos recursos naturais e o modo como trata os resíduos que produz.
  • Social: O impacto social inclui questões relacionadas com a consideração pelas pessoas e o relacionamento com as mesmas, como a equidade, a igualdade de géneros, a diversidade de etnias presentes nos quadros da empresa e a contribuição para o bem-estar social dos colaboradores e da comunidade em que se insere a empresa.
  • Governance: Respeitante aos princípios éticos da administração da empresa que passa pela remuneração dos executivos, as contribuições políticas, o controlo de subornos e corrupção e sua interação com acionistas, colaboradores e restantes stakeholders, que deve acrescentar valor à gestão da empresa.

 

Porquê Aplicar uma Boa Estratégia de ESG?

Por ser atualmente exigida uma maior transparência e responsabilidade por parte das empresas relativamente aos fatores ESG e por estes estarem na mira dos investidores, uma estratégia ESG bem executada pode gerar valor de diversas formas, incluindo a captação de capital de investidores com foco nestas preocupações, o envolvimento positivo com clientes e fornecedores e a melhor contratação e retenção de talentos que valorizem fazer parte de equipas onde exista uma maior consciência, ambiental, social e de governance.

 

As Métricas ESG nos Processos de Fusões e Aquisições

No que diz respeito aos processos de fusões e aquisições, à medida que os compradores se conscientizam de que o baixo desempenho nas métricas ESG pode afetar o desempenho das suas metas a longo prazo, apresentando um risco de execução significativo para o negócio, o processo de due diligence tem vindo a incluir cada vez mais questões como a divulgação de potenciais itens ou materiais que podem causar responsabilidades futuras para o comprador, como posse de materiais perigosos que possam violar leis ambientais, ou potenciais violações dos direitos humanos e/ou dos trabalhadores.

É natural que estas métricas ESG sejam tidas em conta aquando da aquisição/alienação de uma empresa, uma vez que, por exemplo, a aquisição de uma empresa com preocupações ESG ao nível da utilização de energias renováveis pode fazer sentido para uma outra empresa que procure fazer essa transição para uma maior consciencialização nesta temática e abandonar as energias fósseis. Assim, este seria um dos pontos fulcrais do alinhamento da estratégia.

 

Investimentos que Compensam

Além disto, os investidores de Private Equity têm particular interesse por estes critérios ESG, já que geralmente procuram investir em empresas com um crescimento sustentável e evidências de poderem ser atraentes numa potencial venda futura. Usar o ESG como uma forma de diferenciar empresas do mesmo setor é também benéfico para um Private Equity que procura investir num novo setor.

O termo ESG é muitas vezes confundido com outros dois conceitos dos quais importa ainda fazer uma distinção:

  • Investimento ESG: Abordagem focada em empresas que fazem um esforço ativo para providenciar benefícios para a sociedade em que se inserem. As boas práticas ESG incluem comportamentos com impacto positivo ao nível ambiental, social e de gestão das próprias empresas.
  • Investimento SRI: Socially Responsible Investing é uma estratégia de investimento que considera a visão do investidor sobre o que é socialmente responsável e passa por apenas ter na sua carteira de investimentos empresas que não entrem em conflito com os seus valores, excluindo assim as empresas que considerem ter um impacto negativo no meio ambiente e/ou na sociedade. As empresas mais comummente excluídas são as de energia não renovável, armamento, tabaco, jogo ou álcool. Esta estratégia enfatiza o retorno financeiro como uma consideração secundária, que nos critérios de escolha de um investimento vem após os valores morais dos investidores.
  • Investimento de Impacto: Caracteriza-se por uma relação direta entre o capital dos investidores e os seus valores que tem como objetivo gerar um impacto ambiental e/ou social positivo associado a um retorno financeiro. Investidores de impacto geralmente investem em empresas ou projetos que estão ativamente a trabalhar para resolver problemas sociais ou ambientais.

 

Os investidores estão cada vez mais focados em incluir estas métricas na sua política de investimentos, porém, por ser uma área emergente no mundo dos investimentos, não existe ainda uma forte padronização dos conceitos, pelo que a necessidade de investigação e discussão é latente. Espera-se também que venham a existir regras e critérios gerais mais claros para facilitar a tomada de decisão dos investidores em matéria de ESG.

Joana Lobo, Consultora Corporate Finance

No Comments

Post A Comment